sexta-feira, 21 de março de 2014

num QUASE SONETO


























o traçado traçado por uma mão
riscando tosca o papel irregular
é a inconsciência podre da armação
da vida que se perde em cada olhar

e o mundo corrompido pela existência
risca  o passado o futuro o presente
na sensibilidade vestida de demência
da realidade crua de um crente

morre-se vive-se em segundos
veste-se o luto do respirar
no espaço em que somos vagabundos

é o pesadelo de não sabermos voar
de procurarmos obstinados nos mundos
o mundo que não podemos encontrar







19 comentários:

  1. É a impossibilidade, revestida de incompreensão, que suscita a procura. Em suma, a dignidade está em tentarmos, continuamente, a afirmação.

    Beijo :)

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Procurando e perseguindo o que, diante de nós, vai esvoaçando.

      Beijinho, AC.

      Eliminar
  2. Duas quadras, dois tercetos, catorze versos de sensibilidade....

    Beijinho grande, poetisa de bonito "poetar".

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. "de sensibilidade"... num quase soneto, que dói.

      Beijinho e bom domingo. :)

      Eliminar
  3. Muito bom! Muito bom mesmo, Laços e Rendas!! Parabéns pela tua escrita.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Muito obrigada, Graça, pelas tuas palavras. É por elas também que vou caminhando em equilíbrio nas letras.

      Beijinho

      Eliminar
  4. Entre laços e rendas a bela poesia acontece!
    Bom fim de semana
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Esta, de amarga e desenganada que é, talvez ficasse melhor entre cordas e estopa, Lila. :)

      Beijinho e um domingo sereno e calmo.

      Eliminar
  5. um soneto completo - ao qual nem falta sequer a "chave de oiro"...
    gostei mesmo muito

    beijo

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Obrigada, heretico, mas neste "sonetar" julgo haver uma chave enferrujada... :(

      Um beijinho

      Eliminar
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  7. Olá,

    Um poema que "calou" bem fundo em mim, obrigado por partilhares.

    Abraço grande?

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. "Partilhar" é um verbo que conjugo muito bem, Argos. E assim farei até ao infinito / infinitivo. :)

      Beijinho e um abraço grande

      Eliminar
  8. A minha natural lentidão nas actualizações desta vez teve uma desculpa aceitável!
    Também não te tenho visitado porque ainda não te juntei aos favoritos com o novo modelo cheio de "laços e rendas de nós"! :)
    Gostei muito do teu "sonetar"!

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Andava preocupada com a tua ausência. Alguém me dizia que eu era a preocupação com forma de mulher. :)) Por causa disso, resolvi ser uma mulher de "laços e rendas de nós". :))

      Beijinho

      Eliminar
  9. Quase não! Um soneto que demonstra uma grande sensibilidade ao mundo que te rodeia.
    Um soneto que queima !

    beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. O que queima é a vida. Deixa cada marca, Fê... :((

      Um beijinho, Amiga!

      Eliminar
  10. um soneto e um bom soneto com muita sensibilidade à flor da pele (e dos dedos)

    belíssimo

    :)

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Estou a sentir-me incapaz de te responder, Pi. Obrigada!

      Beijinho

      Eliminar