terça-feira, 11 de março de 2014

OS PÁSSAROS - 3ª parte









Inebriada, pintou então um pássaro como nunca da imaginação dos seus dedos e do coração saíra nenhum.  Foi só depois de lhe ter terminado as delicadas e frágeis asas que ela o viu levantar voo e fugir do papel branco onde tinha sossegado, enquanto inacabado.

Amarrotou desesperada a folha. Deitou-a fora. Abriu todos os cadernos e livros onde dormiam os antigos pássaros guardados e gritou-lhes que voassem para longe e não regressassem mais.



................................................



Nunca mais desenhou nem pintou pássaros.

Agora, aprisiona-os em panos onde, entre rendas e linhas de seda, os adormece no movimento da agulha. 


Borda-os em segredo.




Pode, enfim, acariciá-los... sem que lhe fujam. 










Mas ainda hoje lhe chamam "a Menina que desenhava pássaros"... 

















30 comentários:

  1. Muito bonito, Rendas e Laços!! Muito bonito, mesmo!

    Beijinhos, Menina que sonha pássaros!

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Obrigada, Graça. Sonho, de facto, mas só quando durmo. :))

      Beijinho

      Eliminar
  2. Não acredito que os aprisione!
    :(

    Abraço grande

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Ela foi, como dizer (?), aprisionada pelos pássaros. Certamente por não a deixarem voar como eles faziam...

      Beijinho e um abraço (grande?)



      Eliminar
    2. Ela só tinha de pedir as asas emprestadas, nada mais. Será que pediu?

      Abraço...grande, grande

      Eliminar

    3. Se calhar, nem tal lhe passou pela cabeça... E seria que eles lhas emprestariam, Argos? Cá para mim, ela... refugiou-se num espaço-tempo de onde não queria sair.

      A mente humana...

      Beijinho e um grande abraço grande :)

      Eliminar
    4. Emprestavam sim!

      Sabes aquele proverbio africano que diz que não podemos retirar coisas de dentro de uma mão fechada, mas também não podemos colocar lá um presente.O mesmo a contece com esse refúgio "espaço-tempo".

      Abraço grande

      Eliminar

    5. Agora, deixaste-me sem saber como argumentar, Argos. A única coisa que posso fazer é, se a encontrar um dia, lhe dizer o que me escreveste. Talvez ela abra mão... dos pássaros!

      Um abraço maior que o anterior e um beijinho :)



      Eliminar
  3. Fiquei encantada com seu blog.
    beijinhos, Léah

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Olá, Léah, seja bem vinda!

      Obrigada por querer enfeitar os meus laços com as suas Pinturas.

      Beijinho

      Eliminar
  4. Aprisioná-los nunca resulta. Esmorecem, definham, morrem. Ficamos vazios daquilo que devia ser o caminho da libertação.
    Beijinho.

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Talvez ela quisesse contrariar essas mortes dos pássaros, bordando-os. Ou quem sabe, um dia, ela os solte como fez aos que guardava...

      Beijinho

      Eliminar
    2. Soltá-los é a única medida acertada. Não se aprisione aquilo que nasceu para voar. :):)

      Beijinho.

      Eliminar

    3. Todos nascemos para voar. No entanto, quantos vivem em gaiolas?
      Ela tem de ter o seu tempo...

      Estavas entre as rendas e eu a discorrer no teu Olhares. Cruzámo-nos e não te vi. Eu ia a voar e tu? :))

      Beijinho

      Eliminar
    4. Voava, mas um voo rasteiro :(
      Beijinho.

      Eliminar

    5. Talvez por eu voar tão alto não veja nada ou o que capte sejam apenas sensações (minhas). :((

      Beijinho

      Eliminar
  5. Quando queremos muito uma coisa arranjamos sempre um modo de a termos connosco...

    Bons sonhos, Laçarote, rrss

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Ela estava como (não) queria - pano, agulha e linhas. :))

      Beijinho, São.

      Eliminar
  6. Bom dia,
    aprisiona-os com carinho certamente, o que não é impeditivo dos pássaros tornarem a voar no pensamento.
    Abraço
    ag

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Para nós, que não vivenciámos, parece-nos fácil, António. Será que para ela o seria?

      Beijinho

      Eliminar
  7. O que pode um simples passarinho virtual comentar sobre estes teus pássaros...se estou tão aprisionada quanto eles.
    E os bordados, pelo menos não se apagam com um simples clique.

    Muito bonita e sensível esta tua estória.

    beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Pois não, Fê... Mas se estiverem muito tempo guardados e sem uso, ficam amarelecidos... e nem um barrela das antigas lhes volta a avivar as cores. :(

      Beijinho

      Eliminar
  8. cheia de sentires e duplo sentido os teus pássaros...

    :)

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Os pássaros são muito irrequietos, daí serem muitos de arribação. Estes conforme e de onde vêm assim partem...

      Beijinho, Pi.

      Eliminar
  9. Uma bela história cujo final me surpreendeu.. Parabéns
    Beijinho e bom FDS

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Também me surpreendeu este final, Carlos, por ser tão obsessivo. :)

      Obrigada e um beijinho.

      Eliminar
  10. Os bordados também são sofridos...
    Um beijo GRANDE

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Sobretudo, quando nos picamos, Maria do Sol. :)

      Beijinho

      Eliminar