sexta-feira, 7 de março de 2014

OS PÁSSAROS - 2ª parte







À medida que crescia, as paredes habituaram-se por causa dos ralhos, quase sussurrados, da mãe a não serem incomodadas por bandos de aves silenciosas e de asas abertas.

Começou, depois, a pressentir o traço mais certo e os pássaros mais pássaros.
Por essa altura, desenhava-os já em cadernos ou nas margens das páginas dos livros. Deixava-os ficar ali, ora poisados ora voando, no desejo imenso de poderem ser sonhados.

Quando se tornou adulta, tempos houve em que se esqueceu dos pássaros. Longínquos e adormecidos, tinha-se distanciado deles.

Uma tarde, quase ao anoitecer e pouco tempo depois de ter visto um ninho cair e se desfazer no chão, eles voltaram a esvoaçar em seu redor. Primeiro na cabeça, depois numa inquietação nos dedos e, por último, num compartimento tranquilo do coração. 
Os pincéis desataram todos os nós que tinham aprisionado os pássaros e, um pouco envergonhados e hesitantes, moveram-se numa vertigem de tons esbatidos e definidos, de sombras e delicadas claridades, demasiadamente  leves e luminosas, nas penas das asas.






Voltara a ser menina, voltara a encontrar os seus pássaros e a sonhar.


( continua )






24 comentários:

  1. Que bom ter encontrado os seus pássaros novamente....espero que os não deixe fugir, mas sim esvoaçar com eles!

    Linda, bom serão, rrss

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Parece ter sido um momento feliz, São. A ver vamos! :)

      Beijinho e bom dia da mulher.

      Eliminar
  2. Os pássaros nasceram para serem livres...
    Obrigada pela poesia que me fizeste sentir por dentro.
    Beijos

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Nem todos os pássaros, Maria do Sol. E aqueles que estão aprisionados ou aqueles que a quem cortaram as asas?

      Não tens que agradecer. Escrevo o que sinto. Se o sentes também, fico com um sentimento bom...

      Beijinho

      Eliminar
  3. pássaros a arder na alma - importa dar-lhes vida.

    muito bem.

    beijo

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Pássaros em labaredas na alma são os que dificilmente se conseguem acalmar...

      Obrigada, heretico

      Beijinho

      Eliminar
  4. Uma experiência menos boa libertou os pássaros...

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. ... que continuam a a ser como eram - voadores, eternos irrequietos.

      Um abraço grande, Argos, e um beijinho.

      Eliminar
  5. eu sabia que os pássaros iriam nos surpreender e os desenhos também, que mais se seguirá ?

    beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Os pássaros continuarão, ela continuará enquanto existirem, Fê.

      Beijinho

      Eliminar
  6. Respostas

    1. Não vais esperar muito, Carlos, que estas estórias são quase sempre breves.

      Beijinho :)

      Eliminar
  7. os pássaros e a sua liberdade ...na poesia e nas imagens...

    :)

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Os que têm poesia, Pi ... ou deixam poesia...

      Beijinho

      Eliminar
  8. Bem me parecia que os pássaros voltariam trazendo sonhos
    Bjs

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Por muito tempo? Por pouco tempo? Se calhar, por tempo nenhum. :(

      Beijinho

      Eliminar
  9. Respostas

    1. Às vezes não está nas nossas mãos.

      Obrigada pela visita, Puma.

      Beijinho

      Eliminar
  10. Boa tarde,
    Sua bela poesia dá-nos asas para a liberdade igual aos pássaros.
    Abraço
    ag

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. António como gostava de ser poesia e poder voar!

      Beijinho

      Eliminar
  11. Os nós começam a desatar-se e a libertar os pássaros. Estamos no caminho certo!
    Beijinho .

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. O narrador não é senhor da ação, GL. :)

      Talvez um dia.

      Beijinho

      Eliminar