domingo, 2 de março de 2014

INQUIETAÇÃO











Não sei, mas há dias em que acordamos com um enorme peso no peito. 
Parece que, logo pela manhã, as forças do dia se unem para nos amarfanhar. É o despertador que toca à hora certa sem se importar com os nossos sonos; é o termos de nos levantar com o frio  lá fora; é a vida que nos espera e é, como hoje, este aperto no peito. Parece que, repentinamente, um nevoeiro imenso e perigoso se aproxima de nós ou nós nos aproximamos dele... 
A sensação é desconfortante, sufoca e nós vamo-nos deixando mergulhar nesse cinzentismo inexplicável. 
Dentro de nós há ecos que nos ensurdecem e as planícies que tentamos construir transformam-se em abruptas e desafiadoras montanhas. E sentimo-nos pequeninos como ratos, indefesos como cordeiros no ritual do sacrifício, anestesiados pelo que se sente. 
O que está mal connosco? O que está mal com os outros? 
Há um traço de união entre o estado dos outros e o nosso, só que não sei como entendê-lo, o que fazer para despejar de mim esta inquietude sem nome que me amargura. 











27 comentários:

  1. Ai como te compreendo!...

    «Que dias há que n’alma me tem posto
    um não sei quê, que nasce não sei onde,
    vem não sei como, e dói não sei porquê.»


    Camões, grande Camões...

    Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Camões era mesmo um inquieto. Tão inquieto, que até desinquieta. :)

      Beijinho, Graça

      Eliminar
  2. Tomara eu ter uma receita, pela certa já a tinha aplicado cá em casa, e então aí dava-ta de boa vontade...
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Para estas coisas não há receita específica. Ou melhor, há - deixar de sentir...

      Beijinho e obrigada pela tua boa vontade. :))

      Eliminar
  3. Respostas

    1. E eu pensar que só no meu planalto os havia, Mar! :))

      Beijinho

      Eliminar
  4. Fiquei um pouco mais tranquilo, não sou diferente.
    Afinal hà mais

    ResponderEliminar
  5. que sentem essa augusta e desconforto.
    Mas somos fortes e vamos vencendo, uma a uma, cada batalhai!
    Obrigado pela visita e pelas palavras.

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Manuel, somos tantos! Só que nem todos têm estes desabafos. :))

      Beijinho

      Eliminar
  6. Há dias assim... Mas também os há leves e luminosos. E vão chegar, não tarda. :)

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. É uma certeza que me dás, Luísa? Então vou acreditar! Venham eles!

      Beijinho

      Eliminar
  7. Felizmente, depois vêm dias límpidos que nos desatam os nós e nos deixam a rebentar de alegria!

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. "a rebentar de alegria"? Quando, quando?

      Beijinho, Carlos

      Eliminar
  8. O nevoeiro deixa adivinhar o sol que esconde. É só aguardar um pouco e ei-li que volta.
    Beijinho.

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Se fosse só o nevoeiro... E a chuva e o vento, GL? Que lhe faço?

      Beijinho :)

      Eliminar
  9. Estou aos poucos voltando a esse mundo encantado
    onde nossas amizades se eternizam com o passar
    do tempo somos vidas que se une através de sonhos ,
    e sonhos dos mais lindos ,
    é esta amizade que atravessa mares ficando sem fronteiras ,
    sem barreiras .
    A semente boa e plantada em solo forte será
    nossa colheita farta de amizades eterna,
    que seguiram nossas vidas com nossos
    mais absolutos sonhos em que sonhar é possível..
    Deus esteja contigo e comigo.
    Uma semana linda e abençoada.
    Beijos carinhos na alma.
    Evanir..

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Obrigada, Evanir. Para si uma semana de paz e alegria.

      Beijinho

      Eliminar
  10. "Há um traço de união entre o estado dos outros e o nosso..."

    talvez o outros sejam apenas a imagem que neles projectamos...

    beijo

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. ... ou que eles projetam em nós. A inquietação, esta, foi bem sentida.

      Beijinho

      Eliminar
  11. O cinzentismo vai muito para lá da meteorologia, como o texto muito bem dá a entender. Só espero que o marasmo colectivo não se deva à espera por D. Sebastião, e que, mais cedo ou mais tarde, as pessoas têm que começar a agir.
    Curiosamente, parece que amanhã regressa o sol. :)

    Um bom Carnaval!
    Beijo :)

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. D. Sebastião, AC? Se ele voltasse, penso que o povo sairia à rua, acender-se-iam archotes e a revolução iniciar-se-ia, porque se teria acabado com todos os nevoeiros.

      Quanto ao sol de amanhã... a ver vamos. Quarta feira de Cinzas não costuma ser de grandes sóis :)

      Beijinho

      Eliminar
  12. Olá "Laços",

    Um sorriso e um abraço costumam fazer verdadeiros "milagres"!
    ( Não dissipam o nevoeiro mas ele torna-se menos denso e "pegajoso")

    Abraço graaaaaaaaaaaaaaande

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Se fazem, Argos! Dissipam as angústias que estavam subjacentes ao texto. :))

      O nevoeiro também tem o seu encanto, sobretudo quando se recebe um abraço grande, como o teu.

      Beijinho e retribuo com um abraço maior (se possível) :))

      Eliminar
  13. há dias assim, é preciso afugentar e voar com os pássaros (na imaginação de um azul)

    :)

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. É preciso ter claridade para o fazer. Até os pássaros fogem do nevoeiro :)

      Beijinho

      Eliminar
  14. Vivemos em constante inquietação, só que ás vezes ela é tão forte que magoa.

    beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Não gosto de me sentir assim, mas não lhe posso fugir. E, como eu, muitas pessoas.

      Beijinho, Fê.

      Eliminar